Brasil

Biossegurança, Postura Comercial, Sanidade, SAÚDE RESPIRATÓRIA

Saiba do que as vacinas de metapneumovírus precisam para garantir a segurança das aves

A grosso modo, todas as vacinas contra as doenças virais são produzidas a partir de um isolado de campo que passa por um processo de atenuação. Tanto a estirpe original quanto os processos de atenuação utilizados na fabricação da vacina vão determinar a característica do produto final. No caso das vacinas de metapneumovírus aviário, há grandes diferenças entre os produtos comerciais, como a origem da cepa semente (peru ou galinha), o subtipo (A ou B) e o título.

Biossegurança, Sanidade, SAÚDE RESPIRATÓRIA

Existe imunidade cruzada entre os diferentes subtipos de metapneumovírus aviários?

Os diversos estudos científicos relatam que há indução de imunidade cruzada pela estirpe do subtipo A do mPVA, em magnitude suficiente para conferir proteção contra manifestações clínico-patológicas da infecção pelo subtipo B do mPVA, em galinhas previamente imunizadas com a estirpe viva atenuada do subtipo A desse vírus.

Biossegurança, Postura Comercial, Sanidade, SAÚDE RESPIRATÓRIA

Quando cogitar a vacinação dos frangos de corte contra o metapneumovírus aviário?

Além de o isolamento desse vírus ser bem difícil e o agente ficar viável na ave apenas no início dos sinais clínicos, ele é pouco imunogênico e o título de anticorpos pode não ser elevado mesmo em áreas de desafio. Dessa forma, coletar amostras no mínimo após 3 semanas do desafio é importante, para não correr o risco de obter resultados falsos negativos. Quando se observa clínica com confirmação laboratorial, deve-se cogitar a introdução da vacinação.

Biossegurança, Sanidade, SAÚDE RESPIRATÓRIA

Qual a participação do metapneumovírus aviário nos plantéis de aves brasileiros?

O aparecimento de aves com cabeça inchada é um bom início para a suspeita da presença do mPVA. Os sinais clínicos e lesões não são patognomônicos para o diagnóstico do mPVA e a detecção do vírus pelo RT – PCR é difícil, pois o agente permanece pouco tempo no sistema respiratório superior. Muitas vezes, quando os sinais clínicos são percebidos, já não há mais a presença do vírus nos tecidos-alvo. Assim, a sorologia com os testes de ELISA tem sido a ferramenta de eleição para o diagnóstico. A partir daí, deve-se cogitar a introdução da vacinação.

Frangos de Corte, Postura Comercial, Sanidade, SAÚDE RESPIRATÓRIA

O que já fazemos há décadas para proteger nossas aves do “velho coronavírus das aves”?

Será que o conhecimento e a experiência de controle do “velho coronavírus” poderia nos ajudar a enfrentar essa pandemia de COVID-19 nos humanos? Embora sejam doenças causadas por vírus diferentes, os princípios básicos para prevenção das doenças são os mesmos.

Frangos de Corte, Postura Comercial, Sanidade, SAÚDE RESPIRATÓRIA

Qual o papel das vacinas no controle do “velho coronavírus aviário”?

A vacinação contra o VBI (Vírus da Bronquite Infecciosa) é uma prática consagrada dentro dos planos de controle da Bronquite Infecciosa das Galinhas (BIG). Questões como quais as principais características e as particularidades das vacinas, ou como elas são produzidas, mostram um pouco do papel das mesmas no controle dessa importante doença das aves.

Frangos de Corte, Postura Comercial, Sanidade, SAÚDE RESPIRATÓRIA

O que podemos aprender com o “velho coronavírus avícola”?

Considerada uma das doenças mais importantes na avicultura industrial, a Bronquite Infecciosa das Galinhas (BIG) representa um desafio aos produtores desde o seu surgimento, pois resulta em perdas econômicas advindas dos seus sinais clínicos, como os problemas respiratórios. O controle dessa doença para as aves se tornou, então, fundamental. Atualmente, esse vírus está presente, mas encontra-se controlado por conta de medidas preventivas e pela vacinação.

Frangos de Corte, Postura Comercial, Sanidade, SAÚDE RESPIRATÓRIA

Quais as principais diferenças e semelhanças entre o Coronavírus das aves e o causador da COVID-19 em humanos?

Felizmente, até o presente momento, não há nenhuma evidência de que a COVID-19 tenha relação com aves ou mesmo com produtos alimentares derivados das aves. A avicultura industrial já lida com a Bronquite Infecciosa das Galinhas (BIG), há décadas, com muito sucesso no seu controle. A BIG é causada por um Coronavírus específico de aves diferente do causador da COVID-19, e a vacinação das aves tem sido uma ferramenta muito eficaz no controle dessa doença.