Artigos Técnicos, Biossegurança, Food Safety, Frangos de Corte, Postura Comercial, Salmonella, Sanidade

Por que salmonella é problema mais crítico para aves industriais do que para aves caipiras?

A diferença na formação da microbiota intestinal mostra por que a Salmonella é um problema mais crítico para aves industriais do que para aves caipiras. Por exemplo, diferentemente da ave livre na natureza, a industrial não tem contato com a “mãe”, o que exige mais cuidados contra a enfermidade.

A ave livre, após a eclosão na natureza, já recebe carga muito grande de bactérias advinda da mãe no ninho, em meio as fezes presentes no ambiente. Desta forma, a microbiota recebida participa da proteção do recém-nascido, já que, na maioria das vezes, a carga é composta por bactérias benéficas.

Enquanto isso, o frango industrial não possui contato com a mãe, porque os ovos férteis vão para o incubatório, onde existe um esforço enorme para manter o ambiente o mais estéril possível. Logo, essa ave industrial não recebe de igual maneira a microbiota da progenitora.

Até por conta disso é imperativo que, dentro do controle das Salmonellas, como primeiro passo, se tenha reprodutoras livres (de Salmonella), para que não haja transmissão vertical. Sob esse contexto, o bom desenvolvimento da microbiota das aves torna-se fundamental.

Por que salmonella é problema para aves industriais e não para aves caipiras?

Outro fator a se levar em conta são as bactérias gram negativas, consideradas ‘personas non gratas’, devendo, então, ser excluídas. É importante que haja ferramentas para formação de microflora predominantemente de gram positiva, para ajudar as aves que são criadas em ambiente industrial.

Existem várias ferramentas e opções para o controle da Salmonella ou para melhorar a resposta imune, como probióticos, prébióticos, ácidos orgânicos, aditivos alimentares, vacinas. Porém, é preciso usar com parcimônia e, caso haja uso concomitante, devem ser bem estudadas e analisadas. Isso porque, com o produtor colocando várias ferramentas ao mesmo tempo, pode, em vez de estar ajudando o animal, estar auxiliando a perda de desempenho ou até mesmo gerando antagonismo.

Autor:
Eduardo Muniz - Médico Veterinário | Me. | Dr. | Gerente de Serviços Técnicos e Outcomes Research  – Aves