Artigos Técnicos, Biossegurança, Food Safety, Frangos de Corte, Postura Comercial, Salmonella, Sanidade

O controle de todos sorovares é utópico?

Um mecanismo já observado pelos pesquisadores faz pensar que realizar o controle de todos sorovares é uma realidade completamente utópica. Para isso, primeiro, é preciso entender o motivo dessa interpretação dentro da indústria avícola.

Essa análise acontece porque quando um sorovar apresenta um aumento por dominância, um outro vai na contramão disso e tem decréscimo, existindo alternância dos sorovares ao longo do tempo, o que dificulta o real de controle de cada um deles.

Um dos casos que melhor exemplifica essa situação foi quando houve a introdução da vacinação contra a Salmonella Enteritidis nas reprodutoras brasileiras, permitida pela Instrução Normativa nº 78, em 2003. Na época, a iniciativa gerou significativa redução na prevalência desse sorovar. Porém, a partir desse controle, acabou havendo a emergência de outros sorovares nos plantéis de aves brasileiras.

Assim, o controle das salmoneloses como um todo passa, primeiro, pelo conhecimento dos comportamentos dos diferentes sorovares em relação a sua prevalência e característica de patogenicidade. A partir daí, o que se mostra como mais sensato a fazer nesse tipo de situação é desenvolver e fixar ferramentas de contenção naqueles sorovares de maior importância, tanto para aves quanto para humanos.

Conheça as vacinas desenvolvidas pela Zoetis para prevenção das salmoneloses

Por ser de grande impacto às aves, as empresas avícolas já atuam dessa forma e empregam programa de biosseguridade que envolve o uso de vacinas, desinfetantes, probióticos, prébióticos e ácidos orgânicos no sentido de conter a salmonelose. Diante disso, mesmo que o controle de todos sorovares possa ser realmente uma conquista distante de se realizar, pelo menos com os mais importantes se tornam mais possível. Assim, reduzimos suas consequências à avicultura do país.

O controle de todos sorovares é utópico?

Maior dor de cabeça

De acordo com dados apresentados por laboratórios de diagnóstico, a Salmonella que causa mais dor de cabeça em terras brasileira atualmente é a Salmonella Heidelberg. Alertas rápidos publicados pela UE (União Europeia) mostram a maior prevalência desse sorovar.

Veja o estudo da Zoetis a respeito da avaliação de vacina viva sobre Salmonella Heidelberg

Os alertas têm como base, principalmente, as exportações brasileiras para a UE (União Europeia). Então, fica evidente que na avicultura brasileira predominante é, mesmo, a Salmonella Heidelberg. Isso faz dela o grande desafio do setor avícola, já que tem demandado bastante pesquisa e aprofundamento para que a indústria consiga descobrir ferramentas ideais para realizar, de fato, o controle.

Autor:
Eduardo Muniz - Médico Veterinário | Me. | Dr. | Gerente de Serviços Técnicos e Outcomes Research  – Aves